segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Séries em Série #50 | DARK



Viagens no tempo é uma temática "comum" em muitas obras de ficção. A capacidade de viajar através das linhas temporais, seja indo para o passado para mudar algo ou para o futuro para ver as maravilhas tecnológicas (ou o holocausto completo). Muitos filmes, séries e livros já abordaram o tema, de diferentes formas, seja com um carro que possui a capacidade de levar seus passageiro para o passado como em De Volta Para o Futuro ou alguém que volta para o passado para impedir uma dominação mundial pelas máquinas como em O Exterminador do Futuro é um tema querido em história e até um tanto batido... Porém, DARK, a série alemã da Netflix, consegue fazer algo relativamente novo e mostrar que ainda existem possibilidades para o gênero.


Começamos em uma pequena cidade alemã, onde o desaparecimento de um garoto parece trazer inquietação para seus habitantes. De maneira quase que natural, somos apresentados a quatro famílias, cada uma com membros complexos e que estão, de uma maneira ou de outra relacionados com a trama principal e uns com os outros. Rapidamente outras crianças começam a desaparecer, inclusive Mikel, um dos membros dessa família, criando uma onda de pânico na cidade e uma corrida desesperada numa misteriosa teia de conspirações que transcende o tempo e às gerações. 

Por este motivo, pela trama estar centrada em quatro famílias, que conta cada com minimo duas pessoas cada e também nas gerações passadas, é necessário um atenção redobrada ao assistir a série, para poder conhecer cada personagem e a ligação que ele possui com os demais e com a história em ao redor. Tendo isto em mente vem a pergunta: Como podemos ver as gerações passadas? Quando os personagens viajam através do tempo quando entram em uma caverna misteriosa na floresta.



DARK, ao contrário de outras obras sobre viagens no tempo, possui suas próprias regras, como ser possível viajar apenas para duas épocas distintas: 1986 e 1953 e dar a entender que a história é imutável. Porém, ainda é uma emaranhado de pistas e pontas soltas, que formam um cenário maior, mas que não é totalmente entregue em sua primeira temporada. Ainda que alguns mistérios sejam revelados, várias outras informações ficam perdida, deixando um ar de mistério no ar e criando um ótimo cliffhanger no final.

Falando em termos mais técnicos a série tem uma ótima fotografia e uma composição de cores interessante, optando por tons mais frios - casando com o clima chuvoso da cidade - entrando em contraste algumas vezes com alguns elementos do cenário. conseguindo assim alcançar um visual muito bom.

Por fim, mas não menos importante, vale lembrar que DARK não é uma série de terror, ela consegue criar momentos com grande tensão, principalmente com sua trilha sonora, mas ainda sim é um suspense com alguma pitada de drama e com certeza alguma dose de violência, em meio ao confuso e tenebroso conceito que conseguiram transformar a viagem no tempo. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário